Outros Formatos


POR QUE EU ESCREVO

WHY I WRITE

George Orwell

Tradução de Denise Bottmann

O MELHOR DA NÃO FICÇÃO DE GEORGE ORWELL

“[Orwell] era o amálgama de todo e qualquer homem que busca diligentemente a verdade, não importando quão desagradáveis suas implicações para os outros e até para si mesmo.”
George Woodcock

George Orwell foi um dos autores de língua inglesa mais aclamados do século XX. Hoje é amplamente conhecido pelos clássicos A Fazenda dos Animais e 1984, publicados nos últimos anos de uma vida abreviada pela morte precoce. Mas foi com textos de não ficção que ele construiu sua carreira de jornalista e escritor. Poucas são as mentes que aliaram como ele a preocupação com a forma e o estilo a uma visão de mundo humanista, democrática e inconformada com injustiças.

Este volume reúne uma seleção dos treze melhores ensaios e textos curtos de não ficção lavrados pelo genial autor, agrupados por tema. A seção “Escrita, livrarias e livros” traz textos sobre a vida de escritor e sobre a intelectualidade, além de “Por que eu escrevo”, em que Orwell faz sua profissão de fé e adianta uma consideração polêmica à época: “A opinião de que a arte não deve ter nada a ver com a política é, ela mesma, uma atitude política”. “Lembranças de um guarda imperial” abarca três artigos magistrais em que o escritor relata episódios dos anos em que trabalhou como membro das forças da lei nas colônias britânicas – experiência que moldou seu antitotalitarismo e anti-imperialismo; entre eles, o lapidar “Abatendo um elefante”, uma reflexão sobre a violência. Em “Marginalizados”, estão coligidos “Um dia na vida de um vagabundo” e “Mendigos em Londres”, amostras das várias reportagens e textos que o autor escreveu sobre o cotidiano de pessoas sem teto. Em “Política e sociedade”, o leitor encontrará artigos sobre a liberdade de imprensa e nacionalismo, além do clássico “O que é o fascismo”. A última seção, “Memórias de infância”, traz o texto de 1947 “Tais, tais eram as alegrias”, em que ele, homem maduro, rememora as experiências escolares que ajudaram a forjar seu caráter inconformista.

Em 1946, Orwell concluiu: “Quando começo a escrever um livro, não digo a mim mesmo: ‘Vou criar uma obra de arte’. Escrevo porque há alguma mentira que quero desmascarar, algum fato para o qual quero chamar a atenção [...]”. Eis o melhor da prosa não ficcional de um autor combativo e comprometido como poucos com as questões de seu tempo – questões que na verdade dizem respeito a aspirações universais e atemporais do ser humano, como liberdade e justiça. Estes textos farão o deleite de todos os apreciadores de valores humanistas expressos em uma prosa irretocável.
Os Editores

Ler mais

Informações Gerais

  • Título:

    POR QUE EU ESCREVO

  • Título Original:
    WHY I WRITE
  • Catálogo:
    Outros Formatos
  • Gênero:
    Literatura estrangeira
  • Cód.Barras:
    9786556662657
  • ISBN:
    978.65.566.6265-7
  • Formato:
    14x21
  • Páginas:
    216
  • Edição:
    junho de 2022

Vida & Obra

George Orwell

George Orwell (1903-1950) foi jornalista e escritor. Viveu na Birmânia britânica, na França e na Espanha, durante a Guerra Civil Espanhola – quando lutou ao lado das forças legalistas, que combatiam Francisco Franco –, e morreu de tuberculose em Londres. É autor de livros de não ficção, como Na pior em Paris e Londres (1933), O caminho para Wigan Pier (1937), Homenagem à Catalunha Ler mais

Opinião do Leitor

Seja o primeiro a opinar sobre este livro

Você também pode gostar


O MELHOR DA NÃO FICÇÃO DE GEORGE ORWELL

“[Orwell] era o amálgama de todo e qualquer homem que busca diligentemente a verdade, não importando quão desagradáveis suas implicações para os outros e até para si mesmo.”
George Woodcock

George Orwell foi um dos autores de língua inglesa mais aclamados do século XX. Hoje é amplamente conhecido pelos clássicos A Fazenda dos Animais e 1984, publicados nos últimos anos de uma vida abreviada pela morte precoce. Mas foi com textos de não ficção que ele construiu sua carreira de jornalista e escritor. Poucas são as mentes que aliaram como ele a preocupação com a forma e o estilo a uma visão de mundo humanista, democrática e inconformada com injustiças.

Este volume reúne uma seleção dos treze melhores ensaios e textos curtos de não ficção lavrados pelo genial autor, agrupados por tema. A seção “Escrita, livrarias e livros” traz textos sobre a vida de escritor e sobre a intelectualidade, além de “Por que eu escrevo”, em que Orwell faz sua profissão de fé e adianta uma consideração polêmica à época: “A opinião de que a arte não deve ter nada a ver com a política é, ela mesma, uma atitude política”. “Lembranças de um guarda imperial” abarca três artigos magistrais em que o escritor relata episódios dos anos em que trabalhou como membro das forças da lei nas colônias britânicas – experiência que moldou seu antitotalitarismo e anti-imperialismo; entre eles, o lapidar “Abatendo um elefante”, uma reflexão sobre a violência. Em “Marginalizados”, estão coligidos “Um dia na vida de um vagabundo” e “Mendigos em Londres”, amostras das várias reportagens e textos que o autor escreveu sobre o cotidiano de pessoas sem teto. Em “Política e sociedade”, o leitor encontrará artigos sobre a liberdade de imprensa e nacionalismo, além do clássico “O que é o fascismo”. A última seção, “Memórias de infância”, traz o texto de 1947 “Tais, tais eram as alegrias”, em que ele, homem maduro, rememora as experiências escolares que ajudaram a forjar seu caráter inconformista.

Em 1946, Orwell concluiu: “Quando começo a escrever um livro, não digo a mim mesmo: ‘Vou criar uma obra de arte’. Escrevo porque há alguma mentira que quero desmascarar, algum fato para o qual quero chamar a atenção [...]”. Eis o melhor da prosa não ficcional de um autor combativo e comprometido como poucos com as questões de seu tempo – questões que na verdade dizem respeito a aspirações universais e atemporais do ser humano, como liberdade e justiça. Estes textos farão o deleite de todos os apreciadores de valores humanistas expressos em uma prosa irretocável.
Os Editores

" />